Beneficios Bolsa de Valores Brasil Conta Digital Contas Criptomordas Dicas DICAS DE INVESTIMENTO Educação Financeira Internacional Investimentos Mercado de ações Novidades reservas internacionais

Ibovespa Futuro tem nova alta, apesar de preocupações renovadas sobre economia global

No Brasil, na ausência de divulgação de dados econômicos relevantes, o mercado continua acompanhando a corrida eleitoral

Por Felipe Moreira

O Ibovespa Futuro opera em alta nos primeiros negócios desta quinta-feira (20), caminhando para sua quarta sessão positiva na semana, em movimento mais acentuado que o pré-mercado dos EUA. Às 9h15 (horário de Brasília), o contrato para dezembro tinha alta de 0,82%, aos 119.225 pontos.

A agenda internacional segue sendo destaque, em dia de agenda esvaziada no Brasil, em que o mercado seguirá de olho na corrida eleitoral. O Livro Bege mostrou a perspectiva de crescimento econômico em queda nos EUA, enquanto na Alemanha índice de preços ao produtor mostrou uma elevação significativa em setembro. Na agenda do dia, há a divulgação de dados sobre pedidos iniciais de seguro-desemprego nos EUA, as perspectivas de negócios do Fed da Filadélfia e as vendas de casas existentes.

O Reino Unido também continua sendo o foco da atenção mundial. A primeira-ministra Liz Truss disse que ela é “uma lutadora, não uma desistente” ao se dirigir a colegas legisladores na Câmara dos Comuns ontem, mas está enfrentando uma pressão crescente para renunciar. Seu governo sofreu outro golpe com a renúncia da secretária do Interior, Suella Braverman.

À noite, sai o índice GfK de confiança do consumidor do Reino Unido, referente a outubro.

Em Wall Street, os índices futuros viraram para alta após abrirem em baixa, à medida que investidores também digerem mais resultados corporativos.

As ações de AT&T, American Airlines e IBM sobem nas negociações do pré-mercado depois de seus resultados superarem as estimativas.

Nesta manhã, Dow Jones Futuro subia 0,46%, S&P Futuro avançava 0,26% e Nasdaq Futuro tem valorização de 0,10%.

No câmbio, o dólar comercial voltar a cair e opera em baixa de 5,235%, cotado a R$ 5,235 na compra e na venda. Já o dólar futuro para outubro tinha queda de 0,67%, a R$ 5,246.

Com relação a curva de juros, os contratos futuros operam em baixa no médio e longo prazo. O DIF23 (janeiro para 2023) fica estável a a 13,68%; DIF25, tem queda de 0,04 ponto percentual (pp), a 11,66%; DIF27, -0,04 pp, a 11,52%; e DIF29, -0,04 pp, a 11,65%.

Ásia

Os mercados asiáticos fecharam no campo negativo, com incertezas sobre o crescimento econômico global pesando sobre os principais índices.

O índice Hang Seng, de Hong Kong, saiu das mínimas de queda de 3%, quando atingiu seu nível mais baixo desde maio de 2009, e fechou em queda de 1,33%.

No câmbio, o iene, do Japão, caiu para mais de 150 por dólar americano no final da tarde na Ásia, uma baixa de 32 anos em relação à divisa americana. A moeda encerrou a sessão cotada a 149,85 por dólar.

O Banco do Japão anunciou operações emergenciais de compra de títulos, oferecendo a compra de 100 bilhões de ienes (US$ 666,98 milhões) em títulos do governo japonês com vencimentos de 10 a 20 anos e outra tranche no valor de 100 bilhões de ienes com vencimentos de 5 a 10 anos.

O yuan offshore se fortaleceu depois que a Bloomberg informou que as autoridades estão debatendo a redução das quarentenas do Covid de 10 dias para 7 dias.

As cotações do minério de ferro na bolsa de Dalian voltam a cair forte após ensaiar uma leve recuperação na véspera, com riscos de uma recessão global e desaceleração da China devido à sua política de Covid zero pesando sobre a commodity.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *