Sem categoria

Petróleo sobe 5% após ataques terrestres de Israel em Gaza

Agentes do mercado avaliam se conflito poderá se agravar e o que isso poderá significar para a principal região produtora de petróleo do mundo.

Os preços do petróleo sobem mais de 5% nesta sexta-feira (13), com o Brent a caminho do seu maior ganho semanal desde fevereiro, enquanto investidores avaliavam a possibilidade de o conflito no Médio Oriente se agravar à medida que Israel inicia ataques terrestres dentro da Faixa de Gaza.

O anúncio de Israel marcou uma mudança de uma guerra aérea para operações terrestres, com o intuito de erradicar os combatentes do Hamas, uma semana após o seu ataque mortal no sul de Israel. Os futuros do Brent fecharam com avanço de 5,69%, para US$ 90,89 por barril. Já o petróleo bruto dos EUA West Texas Intermediate (WTI) fchou em alta de 5,77%, para US$ 87,69 o barril.

O conflito teve pouco impacto no abastecimento global de petróleo e gás, já que Israel não é um grande produtor. Os agentes do mercado, no entanto, avaliam se conflito poderá se agravar e o que isso poderá significar para o abastecimento dos países vizinhos, na principal região produtora de petróleo do mundo.

Alguns residentes de Gaza abandonaram as suas casas para escapar ao ataque israelenses, depois de Israel ter ordenado que mais de um milhão de pessoas deixassem a metade norte da Faixa de Gaza no prazo de 24 horas.

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amirabdollahian, discutiu na sexta-feira o conflito israelense com o Hamas com o chefe do grupo armado libanês Hezbollah, apoiado por Teerã, que lançou seus próprios ataques transfronteiriços contra Israel.

“O mercado está preocupado porque não sabemos o que isso significa. E isso poderia impactar o petróleo?” disse Phil Flynn, analista do Price Futures Group.

Se os EUA reforçarem a aplicação das sanções às exportações de petróleo do Irã devido a qualquer papel que possam ter no conflito, então o fornecimento de petróleo do Irã poderá cair.

A Arábia Saudita está colocando no gelo os planos apoiados pelos EUA para normalizar os laços com Israel, disseram duas fontes familiarizadas com o pensamento de Riad, sinalizando uma rápida revisão de suas prioridades de política externa à medida que o conflito entre Israel e o Hamas aumenta.

Isto pode ter implicações para a ofertada commodity, uma vez que a Arábia Saudita disse à Casa Branca que estava disposta a aumentar a produção de petróleo no início do próximo ano para ajudar a garantir o acordo de produção.

Também aumentando os preços nesta sexta-feira, os EUA impuseram as primeiras sanções aos proprietários de petroleiros que transportam petróleo russo com preços acima do limite de preço do G7 de US$ 60 por barril, para colmatar lacunas no mecanismo concebido para punir Moscou pela sua invasão da Ucrânia.

A Rússia é o segundo maior produtor de petróleo do mundo e um grande exportador, a decisão dos EUA poderá reduzir a oferta.

Esta semana, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) manteve a sua previsão para o crescimento da procura global de petróleo, citando sinais de uma economia mundial resiliente até agora, e esperando mais ganhos de procura na China, o maior importador de petróleo do mundo.

“As questões do lado da oferta continuaram sendo o foco no mercado de petróleo bruto”, disse Daniel Hynes, estrategista sênior de commodities da ANZ, em nota na sexta-feira, acrescentando que os preços durante o início das negociações de sexta-feira subiram devido à aplicação mais forte das sanções dos EUA.

Os preços do petróleo também ignoraram os dados que mostraram um declínio mensal nas importações chinesas de petróleo.

Na oferta dos EUA, os perfuradores adicionaram esta semana quatro plataformas de petróleo no maior aumento semanal desde março, disse Baker Hughes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *